Você já reparou que em alguns lugares do mundo o sentido de circulação dos carros é diferente do Brasil? Entenda porque isso acontece:

Você já deve ter reparado que em alguns lugares o sentido de circulação dos carros é diferente do Brasil. Aqui, os volantes e pedais ficam do lado esquerdo dos carros, e nós dirigimos pela direita das ruas. Isso é o que acontece na maioria dos países, mas não em todos. Cerca de um terço dos carros do mundo têm o volante e pedais à direita, a chamada “direção inglesa”.

Em 1968, a Convenção de Viena, das Nações Unidas, determinou as regras básicas de trânsito. O objetivo era criar uma similaridade entre a maioria dos países, mas não foi possível por questões de colonização.

Assim como muitos comportamentos da sociedade, a forma de dirigir também é uma herança cultural. Cada país tem sua própria legislação de tráfego de veículos, como o Código de Trânsito, no Brasil.

 

Quer saber como essa história começou?

O sentido da direção está muito relacionado à França e à Inglaterra.  Na idade medieval, os cavaleiros costumavam circular pela esquerda das vias para deixar a mão direita livre para o uso da espada.

Conta a história que Napoleão Bonaparte decidiu inverter a situação na França por ser canhoto, e suas tropas passaram a circular pela direita. Quando os automóveis substituíram os cavalos, acabaram seguindo a mesma linha.

Como França e Inglaterra eram países inimigos, adotaram sentidos diferentes. Esse fato foi importante pra diferenciar as tropas, mas olha no que deu! Interferiu na colonização dos países e definiu os padrões de direção que cada um iria seguir.

 

Brasil

O Brasil seguiu os padrões franceses, pela influência de Napoleão em Portugal, nossos colonizadores, por isso, os brasileiros não estão acostumados com a mão inglesa.

A circulação pelo lado direito é determinada por decreto, mas antes de 1928 alguns estados ainda adotavam o modelo inglês. Hoje, isso só acontece em lugares com sinalização e necessidades especiais.

Curiosidades do Brasil

  1. O Brasil possui a única travessia internacional com mudança de sentido na circulação da América do Sul: a Ponte do Rio Tacutu, entre as cidades de Bonfim (Roraima) e Lethem (Guiana).
  2. Em 2015, foi publicada uma resolução que autoriza a direção “ao contrário” somente por veículos de coleção, que tenham mais de 30 anos de fabricação com as características originais.

Estados Unidos

Para desfazer os laços colonizadores com a Inglaterra, os Estados Unidos adotaram a direção pela direita como padrão, e por dominarem a indústria automobilística, esse modelo tornou-se padrão em quase todo o mundo.

Quer saber mais?

Preparamos uma lista dos países que adotam a mão inglesa (pela esquerda) como padrão. Se você estiver planejando viajar para um desses destinos, já vá se acostumando com a ideia de alugar um carro “ao contrário”.

Confira os nomes abaixo e prepare-se:

África 
África do Sul
Comores
Ilhas Maurício
Malauí
Moçambique
Namíbia
Quênia
Suazilândia
Tanzânia
Zimbábue
Uganda

América Central 
Bahamas
Barbados
Granada
Ilhas Cayman
Ilhas Virgens Americanas
Ilhas Virgens Britânicas
Jamaica
Santa Lúcia
Trinidad e Tobago

América do Sul
Guiana
Ilhas Malvinas
Suriname

Ásia
Brunei
Butão
Singapura (Cingapura)
Índia
Indonésia
Japão
Malásia
Maldivas
Nepal
Paquistão
Tailândia
Timor-Leste

Europa
Chipre
Irlanda
Malta
Reino Unido

Oceania
Austrália
Ilhas Salomão
Nova Zelândia
Papua-Nova Guiné

Fonte: Blog Mobility