Viaje sem estresse com as crianças

*Foto: O casal Pedro Ivo e Mariana Faria usam a música e a brincadeira para entreter as filhas Alice, de 3 anos, e Liana, de apenas 6 meses

Preparamos um guia simples e prático para pegar a estrada com os pequenos sem choro e perguntas

A tarefa não é simples. Choro, fome, banheiro e perguntas, muitas perguntas. “Mãe, o que é isso?”, “Pai, quanto falta para chegar?”. Todo fim de ano é a mesma coisa. Férias escolares, festas e, provavelmente, viagens de carro. Sim, eles são fofos, queridos, mas passar dez horas cortando estradas com crianças não é uma das tarefas mais fáceis do mundo. A solução? Paciência e uma dose extra de criatividade.

E quanto se trata de criatividade, cada casal tem uma estratégia diferente. Os publicitários de Curitiba Pedro Ivo Malinoski, 30 anos, e Mariana Faria Malinoski, 29 anos, pais de Liana, 6 meses, e Alice, 3 anos e meio, por exemplo, adotam duas táticas distintas. “Em viagens curtas, normalmente para Caiobá, vamos à noite. Esperamos elas jantarem e, quando elas começam a dormir, partimos”, conta Mariana.

No caso de trajetos mais longos, o casal faz diferente. “Viajamos bem cedo, enquanto elas ainda estão dormindo”, revela. Quando as meninas acordam, diz a mãe, a receita se resume a músicas, brincadeiras e comida. “Só assim”, explica.

Limites

Na opinião da escritora e viajante profissional Patricia Papp, autora do livro “Crianças a Bordo: Como Viajar com Seus Filhos Sem Enlouquecer” (Pulp, 2010), que reúne estratégias para não ter problemas ao levar os filhos nos mais diferentes tipos de passeio, em qualquer viagem é muito importante fazer um balanço entre respeitar os limites das crianças e ensinar aos filhos a viajar. “Eu sempre fiz viagens longas de carro quando era pequena, com dois irmãos, às vezes com amiguinhos, fui até o Nordeste mais de uma vez. Até o Sul do Chile. Tenho lembranças ótimas. Acho que a gente tem mais lembranças destas viagens de carro do que das de avião”, afirma.

Segundo a autora, que concebeu seu livro em uma viagem de 30 dias –com seus dois filhos, Luiza, 2, e Pedro, 7– para a Tailândia e Dubai, passeios de carro são interessantes e uma ótima oportunidade para conversar, contar historias e fazer brincadeiras em família. “Isto é tão raro no dia a dia”, conta.

Carro em dia e documentação para o Mercosul

O assunto pode ser batido, mas viagens de carro exigem providências para evitar imprevistos. Antes de viajar, é importante fazer uma revisão completa no veículo, sem esquecer dos pneus (inclusive o estepe), cintos de segurança para todos os passageiros, sistemas elétrico e mecânico, da verificação de itens de segurança, seguro e documentação dos motoristas. Deve-se também respeitar os limites de bagagem de cada carro, evitando levar muito peso.

Se a viagem for para os países do Mercosul, vale observar as exigências adicionais. O documento do veículo deve estar no nome do condutor, que pode ser substituído por uma autorização do proprietário, registrada em cartório, mesmo para automóveis alienados. É preciso obter o Seguro Carta Verde, feito para o período da viagem. A cobertura é específica para danos e acidentes pessoais durante a viagem e pode ser adquirida com qualquer corretor de seguros ou em agências do Banco do Brasil. O veículo deve ter dois triângulos e um kit de primeiros socorros.

Vale lembrar que, fora do Brasil, não existe etanol. Assim, recomenda-se o uso de um veículo a gasolina, sabendo que a tradução para gasolina na Argentina é “nafta” e no Chile é “benzina”; já “gasoil” significa diesel. Por último, não se deve esquecer que em países do Mercosul é obrigatório portar a identidade brasileira original.

Dicas na bagagem

Saiba como garantir uma viagem mais tranquila:

• Além de levar brinquedos e livros para entreter a criança, converse com ela, mostre a paisagem lá fora, pergunte sobre as expectativas dela para a viagem. Aproveite para contar histórias, conversar, fazer brincadeiras com seus filhos. Algumas podem ser simples e entretê-los por muitos quilômetros como contar carros de determinada cor, plaquinhas de quilometragem, “fui para a lua e levei”, palavras que comece, com tal letra, ou qual é a música.

• Aproveite as paradas para descer, caminhar e exercitar um pouco o corpo.

• Leve uma mala de mão com alimentos, água e uma muda de roupa, para o caso de a criança vomitar ou derramar comida na roupa que está vestindo.

• Não ofereça calmantes ou remédios para a criança dormir. Não se justifica o uso de uma droga em crianças pequenas e, quanto menor a criança, mais fácil o medicamento ter o efeito inverso e ela ficar ainda mais agitada.

• Se programe para parar pelo menos a cada três horas para a criança ir ao banheiro, caminhar, comer e beber água.

• Saia bem cedo de casa, quanto antes melhor. Não é tão quente e rende mais. Principalmente em véspera de feriado quando as estradas ficam lotadas.

• Evite qualquer salgadinho, bolacha, doce com cores e cheiros artificiais. O carro fica uma bagunça e o odor fica impregnado. E pior, as crianças podem ficar enjoadas.

• Leve um travesseiro bem confortável para cada um.

• Guarde jogos eletrônicos, celular ou DVDs como último recurso para momentos estratégicos, quando o tédio tiver consumido os pequenos ou quando a estrada tiver parada.

• Faça paradas surpresas, informe-se sobre um posto de gasolina, parque, lanchonete que ofereça alguma distração e dê uma parada para quebrar um pouco a rotina da viagem.

 

Fonte: Gazeta do Povo