Uso de celular durante voos é rejeitado por 86% dos passageiros, diz pesquisa

A reação ao anúncio da companhia aérea Virgin Atlantic de que liberaria o uso de celulares no avião em sua rota de Londres para Nova Yorque foi negativa, segundo apontou uma pesquisa realizada pela Skyscanner (www.skyscanner.com.br ) – empresa de busca on-line de passagens aéreas, hotéis e locação de automóveis.

Segundo a pesquisa, 86% dos passageiros preferem se privar do uso dos celulares durante as viagens a ter que escutar a conversas dos outros. A pesquisa foi feita com cerca de 650 pessoas, de mais de 35 países, incluindo o Brasil.

Ao serem perguntados em quais oportunidades usariam o aparelho celular no avião, caso o uso fosse liberado, 48% disseram que enviariam mensagens de texto, 35% navegariam na web e 10% enviariam um e-mail. Apenas 6% disseram que pretendem realmente fazer e receber chamadas, sendo que 1% dos entrevistados pagariam a mais para voar em uma companhia aérea que oferecesse chamadas móveis.

“Embora a notícia não tenha sido bem recebida pelos passageiros, o pontapé inicial já foi dado, e acredito que, ao longo dos anos, outras companhias aéreas busquem implantar este benefício”, disse Mateus Rocha, diretor geral da Skyscanner no Brasil.

“Atualmente as pessoas estão conectadas a todo instante, seja através de um computador seja através de um dispositivo móvel, e o fato de se desligarem por alguns instantes chega a ser até bem-vindo”, explica o executivo.

O custo das chamadas custará em média 1 libra por minuto (cerca de R$ 3,14) e o envio de um SMS será de 20 centavos (R$ 0,63), variando de acordo com a operadora telefônica, porém significativamente mais caro do que quando se está em terra firme. Ao que tudo indica, o objetivo é atrair passageiros que ocupem cargos executivos nas empresas.

 

Legenda foto: Maior parte dos passageiros declara não querer fazer ligações em celulares durante voos

Foto: Zé Carlos Barretta/Folhapress

Fonte: Folha Turismo