Locadoras ecologicamente corretas: a natureza agradece

Em tempos de carros elétricos e discurso de responsabilidade social, promover atitudes ecologicamente corretas é, no mínimo, sensato. Por isso, antes de alugar um carro, descubra o que as locadoras andam promovendo ecologicamente. Existem bons exemplos no mercado. Algumas empresas vêm tentando gerar a cultura do “não-desperdício” no cotidiano das suas empresas e estão procurando exercitar em seus colaboradores o discurso do “Não imprima. A natureza agradece”.

 

Locadoras como a Lokamig, Locaralpha e Denver, todas de Minas Gerais, promovem ações que deveriam lhes render o título de empresas sustentáveis ou empresas amigas da natureza e do meio-ambiente. Elas realizam desde pequenas atitudes, como separar o lixo reciclável a atos mais complexos, como adotar um canteiro com grama e plantas.

 

“Aqui na Denver aproveitamos as folhas impressas erradas ou contratos antigos para rascunho. Só rasgamos as páginas com assinaturas ou dados financeiros”, resume a empresária Imaculada Chiarella. Uma atitude simples, mas imprescindível. De acordo com especialistas ambientais, cada brasileiro consume por ano 51 quilos de papel. E, para cada 50 quilos, é necessário que pelo menos uma árvore seja derrubada. Ao reaproveitar, pode-se dizer que Imaculada passa a consumir 25 quilos. Ou seja, uma redução de 50% no seu consumo.

Já Carlos Faustino, diretor da Locaralpha Aluguel de Carros, exercita há dois anos a reciclagem de lixo. “Nós temos em todos os três andares da empresa lixeiras que separam os materiais e temos no pátio um outro conjunto de recipientes. E de nada adiantaria isso se não tivéssemos um contrato com uma empresa ambiental que faz a coleta semanalmente aqui na Locaralpha”, explica. Outra simples, mais importantíssima ação.

 

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, o Brasil produz, em média, 90 milhões de toneladas de lixo por ano e cada brasileiro gera, aproximadamente, 500 gramas de lixo por dia. Disso, apenas 2% é reciclado. A Locaralpha faz sua parte. Segundo Carlos Faustino, são coletados 150 quilos de material reciclado semanalmente.

Um dia, parado em um sinal de trânsito, o empresário Saulo Froes viu uma passageiro do carro à sua frente jogar lixo pela janela. Ali mesmo tomou a decisão de criar um recipiente adequado que funcionasse como lixeira dentro dos carros da sua locadora, a Lokamig Rent a Car. “Com uma ideia simples a gente passou a contribuir com a limpeza urbana por onde nossos clientes iriam passar”, afirma Froes.

Anos depois, a Lokamig adotaria uma outra medida, bem maior, para promover o ecologicamente correto: adotaria alguns canteiros da cidade. “Nos unimos ao projeto ‘Adote o Verde’ da Prefeitura de Belo Horizonte e investimos diariamente na manutenção destes espaços”, resume o empresário. Segundo ele, os custos com manutenção são altos, mas os retornos são maiores ainda. “Ao longo da Avenida do Contorno durante todo o ano florescem charmosas azaléias vermelhas que remetem à Lokamig. Cuidamos de cada detalhe pensando em algo que além de deixar a cidade mais bonita reforçasse a marca da empresa, por isso usamos flores vermelhas da cor da nossa logomarca. E apesar da falta de incentivo público e do vandalismo que ocorre nos canteiros, a Lokamig pretende fazer a sua parte abraçando sempre as causas ambientais”, diz.

 

Os exemplos de Saulo Froes, Carlos Faustino e Imaculada Chiarella devem ser seguidos. Não só pela visibilidade social que essas atitudes podem gerar para suas empresas, mas também pela própria promoção da conscientização de que não adianta pensar em um futuro empresarial sem perceber o futuro ecológico.

Por Leandro Lopes.