Locação de veículos já colhe frutos da Copa

Ao contrário do que o senso comum faria crer, os grandes eventos esportivos que serão sediados futuramente no Brasil (Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíada) desde já estão impulsionando a demanda por veículos alugados no Brasil. Se os turistas estrangeiros chegarão somente em 2013, 2014 e 2016, as empresas que já estão trabalhando nos projetos de infraestrutura estão demandando, desde já e com mais ênfase, os serviços deste setor. A avaliação é da ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis).

Trata-se do que o setor de locação de veículos classifica como terceirização de frotas, que implica em alugar frotas inteiras para empresas. “A Copa do Mundo, a Copa das Confederações e a Olimpíada serão importantes para o nosso setor, impulsionando o aluguel diário de automóveis. Mas independentemente deles, as locadoras de veículos já estão sendo demandadas por outro público, por causa da Copa: as empresas interessadas em terceirizar frotas para trabalharem nas obras de infraestrutura do evento”, explica João Claudio Bourg, presidente executivo da ABLA.

Bourg diz que isso faz com que o setor cresça no Brasil independentemente da Copa do Mundo e da Olimpíada. “O balanço anual do setor será divulgado no dia 23 de maio, em São Paulo (SP). E certamente mostrará esse avanço nos negócios, verificado anos antes do acontecimento efetivo dos grandes eventos esportivos”.

O presidente executivo da ABLA acrescenta que a terceirização de frotas, largamente utilizada por grandes companhias, está se tornando um serviço também atrativo para pequenas e médias empresas. “Ao terceirizar, toda a gestão referente à posse dos veículos deixa de ser problema da empresa, que assim pode se dedicar com mais afinco à sua atividade-fim”, afirma. “Isso tem gerado consultas e novos negócios para locadoras de Norte a Sul do País”.

Conforme Bourg, as empresas adotam a terceirização de frotas em busca de vantagem competitiva em relação aos concorrentes. “A terceirização tira a responsabilidade da empresa sobre licenciamento, emplacamentos e impostos dos veículos. Sobre os custos com seguro e manutenção. E ainda com despesas nem sempre são previstas no orçamento, como a reposição de peças e o custo financeiro da ociosidade de cada veículo”, explica Bourg. “Tudo isso passa a ser de responsabilidade da locadora que está alugando a frota para a empresa”.

Bourg avalia que a Copa do Mundo e a Olimpíada, portanto, ajudam a incrementar um trabalho que a associação já vem realizando, que é o de disseminar a cultura da locação de veículos e o consequente fortalecimento da atividade. “O que chama a atenção é que isso vem ocorrendo desde já. O setor começou a colher frutos da Copa do Mundo com mais de dois anos de antecedência”, completa o presidente executivo da entidade.

Fonte: ABLA