Feriado de Corpus Christi exige cautela do motorista

Fazer pausas durante o percurso e evitar pegar estrada com chuva são recomendações de especialista

Feriado na estrada
Para que o clima de descontração seja mantido, o motorista não deve poupar nos cuidados ao conduzir o veículo.

 

Feriado é sinônimo de relaxamento na companhia de amigos e da família. Quando os dias de folga são prolongados, aumenta tanto a possibilidade de viagens mais longas, quanto à urgência em chegar ao destino desejado. Para que o clima de descontração seja mantido, o motorista não deve poupar nos cuidados ao conduzir o veículo.

Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a previsão para semana do feriado de Corpus Christi, na próxima quinta-feira (26), é de chuva ou neblina para maioria dos estados. A combinação entre excesso de velocidade, pistas molhadas e maior fluxo de veículos nas rodovias potencializa os riscos de acidentes de trânsito. Conforme a especialista de trânsito da Perkons, Idaura Lobo Dias, o ideal é evitar pegar estrada com chuva, circunstância que reduz a visibilidade. “Se já tiver iniciado a viagem, é recomendado parar e procurar não sair do carro, justamente para não ser vítima de um atropelamento, por exemplo”, ilustra. Também é indicado ao motorista transitar com os faróis baixos ligados o trajeto inteiro e manter distância segura em relação aos demais veículos.

Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) revelam que chuva e neblina elevam os riscos de acidentes em 30%, uma vez que a aderência dos pneus ao asfalto diminui. Ainda assim, muitos motoristas insistem em manter condutas inapropriadas nas estradas. Em 2015, foram registradas 102 mortes em rodovias federais durante o feriado religioso, número 21% inferior ao constatado no mesmo período de 2014. Ao se considerar o aumento da frota, no entanto, o índice de letalidade aumenta em 25%. Com a maior malha rodoviária do país, o estado Minas Gerais foi o que mais registrou mortes (18), ao passo que os acidentes foram mais recorrentes no Paraná, com 236 casos.

Com o propósito de mudar este cenário, a PRF atuou, em anos anteriores, por meio de ações preventivas, reforço no policiamento em trechos estratégicos das rodovias federais e fiscalização, esta última destinada a coibir atitudes de risco como ultrapassagens indevidas, excesso de velocidade e a mistura de álcool e direção. Uma das recomendações do órgão é evitar horários de pico e fazer pausas para descanso durante o percurso.

Com informações da Assessoria de Imprensa

Fonte: Portal do Trânsito