Falta de cadeirinha mata 6,5 mil; saiba como usar

Dispositivo de segurança pode reduzir morte de crianças em até 71% dos casos de acidentes

 

Carsale – A falta do dispositivo adequado para transporte de crianças nos carros, chamado popularmente no Brasil de “cadeirinha” (existem diferentes tipos, veja abaixo) é a causa da morte de cerca de 6,5 mil crianças em toda a América Latina. A informação é resultado de um estudo feito pela Fundação Mapfre (instituição sem fins lucrativos), referente ao ano de 2009. A pesquisa que também foi realizada no Caribe, Espanha, Turquia, Malta e Suécia, aponta ainda que para cada criança sueca morta devido à ausência desse equipamento, morrem mais de 155 no trânsito das cidades brasileiras. Para a diretora da Delegação da Fundação MAPFRE no Brasil, Fátima Lima estes dados evidenciam que o uso deste recuso é a única forma segura de transportar crianças em veículos e, ressalta, que o equipamento pode reduzir o risco de morte em 71% dos casos e o de hospitalização em 69%.

 

No Brasil, obrigatoriedade reduziu mortes em 41,18%

O uso da cadeirinha infantil nos veículos já conseguiu resultados no País: reduziu em 41,18% o número de mortes de crianças de até sete anos envolvidas em acidentes nas estradas, no primeiro semestre de 2011, em comparação ao mesmo período em 2010. Os dados são da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Vale lembrar que a lei que obriga a utilização das cadeirinhas (Resolução 277 do Contran – Conselho Nacional de Trânsito) foi implantada em 1º de setembro de 2010.

 

A multa para quem for pego transportando crianças de maneira inadequada é de R$ 191,54, que também gera sete pontos na carteira de habilitação e apreensão do veículo. O chefe de fiscalização do 1º Distrito da Polícia Rodoviária Federal, inspetor Carlos Dantas, reforçou a importância do equipamento. “O uso das cadeirinhas infantis, além de ser obrigatório, dá segurança e evita ferimentos”, alertou. “O dispositivo é fundamental para reduzir o risco de morte em acidentes ou na desaceleração repentina do veículo”, finalizou.

 

Quais são e como utilizá-las corretamente

Existem três tipos: o bebê conforto, a cadeirinha e o assento de elevação, cada um destinado a crianças de acordo com a idade e medidas. A recomendação é que nos carros com cinto de três pontos, as crianças de até um ano sejam transportadas no bebê conforto. Entre um e quatro anos, é preciso utilizar as crianças na cadeirinha, que deve ser presa com o cinto. Dos quatro anos até os dez, o transporte deve ser feito no assento de elevação. Em veículos mais antigos, que não têm três pontos, as crianças devem andar apenas com o cinto abdominal. É importante frisar que o cinto de segurança é projetado para adultos com no mínimo 1,45m de altura e por isso não protege as crianças em caso de acidente.

Confira abaixo a tabela da ONG Criança Segura, que detalha os dispositivos de acordo com as medidas das crianças:

 

Fonte: Carsale