Dólar alto e atentados em Paris reduzem em 40% vendas de viagens internacionais, no AM

Cidades do Nordeste como Fortaleza, Maceió, Natal e Maragogi se tornaram opções mais baratas para os turistas.


Miami está sendo trocada por cidades nordestinas nestas férias de fim de ano pela alta do dólar.Foto: Divulgação

Manaus – Para as férias de fim de ano, os amazonenses estão reprogramando as viagens em família. Com a alta do dólar e o clima de medo pós-atentado em Paris, as agências de turismo de Manaus registraram até 40% de queda nas vendas para os Estados Unidos e Europa. Os destinos internacionais “queridinhos” dos manauaras foram substituídos por cidades do Nordeste brasileiro.

De acordo com o sócio-diretor da FM Turismos, Pedro Mendonça, desde julho, as vendas já estão comprometidas. Para ele, as pessoas estão desencorajadas para viajar para o exterior, o que resultou na queda de 40% nas vendas deste fim de ano. “O nosso grande filão era uma viagem para os EUA, principalmente para compras, porém a manutenção com hospedagem e alimentação de um turista lá está muito alta. Houve uma queda brutal na procura de passagens”, explicou.

A agência de viagens CVC também apresentou baixa na procura de passagens para o exterior. “Em função da disparada do dólar neste ano, as viagens nacionais ganharam incremento de 15% no terceiro semestre, na comparação com as viagens ao exterior”, segundo explicou em nota.

Conforme informações divulgadas nesta quinta-feira pelo Banco Central
(BC), com a alta do dólar, as despesas de brasileiros no exterior caíram 52,67%, em outubro deste ano em relação ao mesmo mês de 2014. As despesas somaram US$ 1,002 bilhão em outubro. Nos dez meses do ano, as despesas ficaram em US$ 15,141 bilhões, com retração de 30,21 % em relação ao período de janeiro a outubro do ano passado.

Ainda segundo os dados, as receitas de estrangeiros em viagem no Brasil Ficaram em US$ 453 milhões, em outubro, e em US$ 4,786 bilhões, no acumulado de dez meses. Com esses resultados, o déficit na conta de viagens internacionais, formada por despesas de brasileiros no exterior e receitas de estrangeiros no Brasil, ficou em US$ 549 milhões, em outubro, e em US$ 10,355 bilhões, os menores resultados para os períodos, na série histórica inciada em 2010.

“Turismo brasileiro saiu ganhando”

Entre os destinos que estão sendo escolhidos pelos amazonenses, no lugar do exterior, estão cidades do Nordeste, explicou Mendonça. “Agora, as pessoas estão procurando por lugares com praia. Fortaleza é o mais procurado pelos amazonenses. Logo em seguida, vem o interior da Bahia, Maceió, Natal e Maragogi (AL). O mercado do turismo brasileiro saiu ganhando”, contou.

Já a proprietária da Acapu Turismo, Bárbara Monteiro, destacou o Rio de Janeiro e Florianópolis como cidades bastante procuradas para o dia da virada. A agência de turismo sentiu em aproximadamente 50% a baixa nas vendas de passagens para os destinos mais pedidos nas férias como Orlando, Miami e Nova York. “Por conta disso, uma passagem de Reveillon passou em média de R$800 para R$1.500”, afirmou.

Viagem para o exterior com adaptação no orçamento

Para a CVC Turismo, o consumidor não deixa de viajar para o exterior, mas tem procurado adaptar a viagem ao orçamento. É caso do universitário Alex Pinto, 21, que embarca para Miami com a família neste final de ano. Ele conta que compraram as passagens com o dólar no valor de 3,18 no último mês de julho e que, por conta da alta da moeda americana – cotado em 3,74 nesta quinta-feira (26) – realizaram corte de gastos com o aluguel de carro e hotel, além dediminuir o planejamento de compras para manter a viagem.

“Depois de longas discussões e uma pesada multa imposta pela companhia aérea, decidimos manter o plano inicial e viajar para lá. Meu pai também nunca foi para os EUA e queria fazer um cruzeiro com toda a família. Isso também influenciou”, contou.

Para Mendonça, é possível realizar uma viagem para os EUA com preços mais em conta. “Muitas das pessoas que querem mesmo viajar para os Estados Unidos ainda esperam o dólar baixar. Mas o meu conselho é se tiver condição, compre agora. Existem as opções de parcelamento ou de ajuste de viagem. Escolha um hotel mais moderado, manere nas comprar e diminua os dias de passeio ou conheça novos lugares”, disse.

“Muita gente está reprogramando a viagem. Então, se ia com a família agora em janeiro, está mudando a data para a baixa temporada, mais pra depois do carnaval”, explicou Monteiro, acrescentando que muitas companhias internacionais estão realizando promoções nas passagens aéreas.

 

Fonte: D24am