Dirigir e mandar torpedo aumenta em 23 vezes as chances de acidentes

Um dado estatístico sobre segurança no Trânsito chama a atenção. Dirigir e mandar torpedo aumenta em 23 vezes as chances de acidentes. É o que garante a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego ( ABMT). Um hábito perigoso dos motoristas dos tempos atuais que é facilmente notado nas ruas de Porto Velho.

 

Ainda de acordo com a ABMT, um carro a 60 km/h percorre 17 metros por segundo. Se o motorista olhar para o celular por dois segundos, vai dirigir às cegas por 34 metros. É como se ele tivesse bebido.

 

O que muita gente não sabe, ou finge não saber, é que mandar SMS, usar um aplicativo ou acessar a internet ao volante também são infrações de trânsito.

 

Usando a educação como forma de prevenir, o Detran – Departamento Estadual de Trânsito em Rondônia está veiculando campanha publicitária que combate frontalmente este comportamento de risco alertando que o acesso virtual no trânsito tem consequências reais.

 

A campanha “Seguir em frente” desenvolvida pela agência rondoniense Multimídia MKT utiliza uma abordagem séria e chocante, com um efeito de alto impacto. Para a internet foi produzido banners animados com ênfase na consequência de “navegar” na internet enquanto dirige.

 

Para os usuários dos jornais eletrônicos do estado, a imagem que surge na tela e explode com o impacto de acidente prende a atenção, conseguindo atingir o publico alvo (usuário de internet via celular) que também é consumidor de noticias “on-line”. Em outro recurso de mídia, em alguns outdoors foram utilizados uma aplicação para tornar mais real o efeito de impacto.

 

O Detran/RO segue a linha de propagandas realizadas pelo Ministério das Cidades no “Parada pela Vida – Pacto Nacional pela Redução de Acidentes” , que foca a reeducação de novos hábitos dos condutores de veículos do século 21.

 

E fica o alerta, dirigir falando ao celular, mandando torpedo, acessando o Facebook é infração de natureza média, com quatro pontos na carteira e multa de R$ 85,13. Mas, o pior mesmo é o risco de provocar um acidente.

 

Com informações da Assessoria de Imprensa

 

Fonte: Portal do Trânsito