Cinco dicas para conhecer a Inglaterra de carro

shutterstock_363643592-1000x600

God Save the Queen! A famosa frase do hino da Inglaterra pode ser adaptada para a linguagem dos turistas como algo parecido com God Save the England! O país, que é um dos mais charmosos e procurados no continente Europeu, entretanto, é pouco explorado pelos estrangeiros. Isso porque os pacotes de viagens muitas vezes não saem do óbvio e oferecem sempre os mesmos destinos e pontos turísticos.

Para driblar o roteiro pré-estabelecido e explorar o território inglês de ponta a ponta, a principal alternativa é alugar um carro e cair nas estradas. Muito bem pavimentadas e sinalizadas, as vias do país são ótimas e podem ser facilmente entendidas por qualquer turista. Porém, algumas características podem causar estranheza no motorista brasileiro.

As estradas da Inglaterra são invertidas, isso é, por lá o volante fica à direita e os veículos seguem a mão da direção pela esquerda. Apesar de parecer esquisita no início, pesquisas mostram que em dois dias dirigindo pela “mão inglesa”, como é chamada, já são o suficiente para adaptar-se e se sentir confortável com a mudança de perspectiva. Em todo caso, veja as dicas que demos para dirigir na Inglaterra na aba Roteiros.

Cada tipo de rua e estrada tem um limite de velocidade e o motorista que não respeitá-lo pode receber multas e ter problemas com a carteira, já que há câmaras de segurança, radares e policiais por toda parte. A velocidade inglesa é medida em milhas e não em quilômetros, como no Brasil. Por isso, é preciso se atentar à diferença da unidade de medida (1 milha = 1,6 km), mas não se preocupe com os cálculos porque os carros alugados mostram a velocidade em milhas. 😉

Por lá há poucos pontos de parada. Os acostamentos, por exemplo, só podem ser utilizados em casos de extrema emergência, se não o motorista também é notificado. Não é possível, por exemplo, parar para realizar uma ligação, pegar algo no porta-malas e outras coisas comuns aqui no Brasil.

Não existem muitos pedágios na Inglaterra. A maioria deles são eletrônicos, só aceitam moedas e não devolvem trocos. Ao contrário dos postos de gasolina, ou service station, que são comuns nas estradas inglesas. A surpresa fica por conta do abastecimento, já que em quase todos é o próprio motorista que coloca combustível no veículo.

Depois de todas essas informações, prepare o passaporte, coloque a mochila nas costas e acompanhe cinco dicas para cair nessa aventura.

1 – Tenha permissão para dirigir fora do Brasil
Para cair na estrada é preciso, em primeiro lugar, poder conduzir um veículo em terras estrangeiras. Para isso, é necessário portar o PID (Permissão Internacional Para Dirigir). O motorista já deve, claro, possuir a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) para solicitar o documento no Detran de seu estado ou através da internet. Com isso, a carteira de motorista é traduzida em sete idiomas (português, espanhol, francês, inglês, russo, alemão e árabe) e ninguém terá problemas nem para alugar carros e nem com autoridades inglesas.

2 – Determine o roteiro
A Inglaterra não é um país com amplo território. Ou seja, se planejado e com tempo disponível, será possível conhecer desde as pequenas vilas charmosas, cheias de histórias e culturas, até os grandes monumentos internacionalmente conhecidos. Famosa pelas cidades estudantis, a viagem de carro permite conhecer de perto as tradicionais escolas e faculdades. A Stratford–Upon-Avon, cidade de William Shakespare, normalmente não aparece nos roteiros montados por agências de viagens, mas é facilmente acessada por carro. Imagina só que emoção estar no mesmo lugar onde nasceu um dos principais dramaturgos do mundo.

3 – Turismo gastronômico
Uma das grandes vantagens de viajar de carro é a opção de escolha. Parar a qualquer momento para se alimentar, por exemplo, permite conhecer a fundo a culinária e costumes local. Por isso, é aconselhável sempre escolher os pequenos restaurantes das pequenas cidades. Além de economizar, já que as refeições nesses lugares são bem mais baratas se comparados aos grandes estabelecimentos, experimentar os temperos locais é uma experiência tão incrível quanto conhecer o próprio lugar.

4 – Vilarejos escondidos
Faz parte da viagem de carro descobrir locais inesperados. Na Inglaterra, não é difícil encontrar pequenos vilarejos que escondem pontes, lagos, colinas, jardins e castelos. Por isso, permita-se desbravar todas as surpresas que o caminho pode te oferecer.

5 – Escolha o carro ideal
Depois de determinar o roteiro, é importante estudar e entender por quais tipos de estrada vai passar. Escolher o veículo adequado para os tipos de estrada que irá percorrer é imprescindível, já que ele determinará o conforto e a qualidade do trajeto. A Mobility permite a comparação de preços e frotas online, oferecendo sempre as melhores opções.

Fonte: Blog Mobility