Carros superesportivos são mania entre brasileiros no Exterior

Por Renê Castro

O sonho de ter um carro superesportivo é ainda algo distante para o brasileiro. Não pelo lado financeiro, mas sim pela falta de infraestrutura nas estradas do País. Ter um modelo “classe A” exige não só cuidados especiais, como também uma boa pista para correr.

Porém, ter o gostinho de passear com essas máquinas por aí está ao alcance de todos os turistas que escolhem a Europa e os Estados Unidos para passarem bons momentos. Nas cidades turísticas, é comum encontrar motores V8, ou até mesmo luxuosos veículos com teto solar e os mais variáveis dispositivos eletrônicos, desfilando por ruas e avenidas. Há passantes que até suspiram, na esperança de um dia também desfrutarem deste prazer.

DICAS DO RENT A CAR NEWS
Para o viajante que planeja uma aventura como esta, é importante ter em mente que as locadoras oferecem o serviço de forma personalizada, exigindo do motorista no mínimo 21 anos, estar em ordem com os encargos da carteira de habilitação, apresentar passaporte, não possuir restrições junto ao governo de seu país e, finalmente, apresentar um ou mais cartões de crédito com limite disponível para a garantia exigida pela empresa. A reserva pode começar ainda no Brasil, com a escolha da marca, o modelo, a cor, o tipo de acabamento, os acessórios, entre outros.

Uma das empresas que oferece este serviço é a Mobility, do proprietário Oskar Kedor. A central de reservas está desde 2000 no mercado e possui parceria com diversas locadoras no Exterior, oferecendo assim uma vasta gama de veículos, dos básicos aos diferenciados, perfeito para quem deseja se destacar no meio da multidão. No site da empresa (www.mobility.com.br) é possível fazer a reserva de qualquer modelo de luxo.

“O mercado de esportivos cresce a cada ano. Para se ter uma ideia, na Europa, o segmento movimenta cerca de três milhões de euros ao ano”, comenta Kedor. Ao ser perguntado sobre os valores das diárias de veículos tão cobiçados, o executivo é direto: “tem de tudo, de 100 a três mil euros, depende da situação. O mesmo cliente que aluga uma Cayenne (foto), por exemplo, aluga também um Mini Cooper. Cada situação pede um tipo diferente de carro”. Entre os brasileiros, a média de gasto é de 400 euros, e as solicitações são feitas, na maioria das vezes, por um agente de viagens – que tem acesso direto também às locadoras de veículos atuantes no destino escolhido pelo consumidor, caso seja necessário.

Independente da escolha, o cliente terá uma série de mimos que tornarão a experiência com um superesportivo inesquecível.