Campanha orienta sobre riscos de transportar alimentos na bagagem em viagens internacionais

Para orientar passageiros sobre o que podem levar e trazer de suas viagens internacionais, o Anffa Sindical (Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários) lançou na última terça-feira a campanha Bagagem 100% Legal em 17 aeroportos brasileiros.

A ação deverá se estender durante todo o período das férias de julho. Alimentos culturalmente famosos como bacalhau português, linguiça, salame, doce de leite argentino e queijos estão na lista de proibições.

De acordo com o presidente do sindicato, Wilson Roberto de Sá, a campanha foi motivada pela grande entrada e saída de alimentos de origem animal e vegetal pelos aeroportos.

Cerca de 21 toneladas foram apreendidos nos quatro primeiros meses do ano nos aeroportos internacionais de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. “As pessoas desconhecem sobre o que podem ou não trazer de outros países e, quando retornam ao Brasil, sofrem com esse tipo de transtorno. Esse número tende a crescer ainda mais, já que muitos alimentos ainda entram de forma clandestina”.

Sá explica que a restrição é importante para evitar a entrada de novas pragas e doenças que podem comprometer a saúde da população, agricultura e a pecuária do país. “Esses alimentos, quando transportados durante as horas de viagem, podem ser responsáveis pela proliferação de bactérias, fungos e vírus. O Brasil já passou por uma série de episódios de pragas vindas de outros países, como o surto da peste suína e do caramujo africano, e por isso, é preciso respeitar as leis sanitárias”.

Quem for pego com alimentos proibidos terá o produto confiscado e destruído pelos fiscais federais. Além disso, o passageiro pode ser advertido formalmente e sofrer aplicação de multa. A fiscalização também é adotada em vários países e a lista de proibições varia conforme o destino.

Entre os produtos considerados legais para trânsito internacional estão óleos, alcoóis, frutos em calda, chocolate, café torrado e moído, sucos, vegetais em conserva, arroz, farinha e erva-mate.

Para os vinhos, os passageiros devem respeitar o limite de 12 garrafas de uma mesma marca, ou 18 de fabricantes diferentes. Folhetos de orientação estarão disponíveis nos aeroportos de Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Cuiabá, Campo Grande, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Maceió, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

 

Fonte: Portal Folha

Imagem: Passageiros aguardam bagagem em frente a esteira no aeroporto de Cumbica | Danilo Verpa-20.jul.11/Folhapress