14 lugares para tomar um bom café

Um bom cafezinho, extraído com primazia, deixa a qualidade evidente no aroma, na textura e no sabor. A equação depende das características do fruto, dos processos de torrefação e moagem e da habilidade do barista de tirar o café, além de fatores como temperatura e harmonização.

blend, combinação de diferentes tipos de grãos, merece atenção, pois cada espécie tem características próprias de aroma, corpo, acidez e ponto de torra ideal. O Alta Mogiana, por exemplo, tem aroma achocolatado e baixa acidez, já o Sul de Minas possui acidez acentuada e aroma floral. Harmonizar as variáveis e fazer a torrefação adequada é, muitas vezes, tarefa do próprio estabelecimento e garante a personalidade das marcas.

Grãos bem escolhidos fazem a diferença. É por isso que o Jacu Bird Coffee, produzido na Fazenda Camocim, no Espírito Santo, é um dos cafés mais exóticos e caros do mundo. O fruto é retirado das fezes do pássaro jacu, que seleciona os melhores grãos para engolir e não os processa na digestão.

French press ou cafeteira italiana? A extração é fundamental para resultado com pouca ou muita concentração de cafeína. Em muitos estabelecimentos, o cliente pode escolher qual prefere.

coado (com papel ou pano) é o mais comum nas residências brasileiras e permite maior extração de cafeína, pois a água fica mais tempo em contato com o pó. Já o espresso é mais concentrado e consistente, carrega mais pó para a bebida. A french press (ou prensa francesa) leva o nome porque a mistura da água com os grãos moídos é pressionada por um êmbolo, até que o líquido suba e os resíduos permaneçam no fundo do recipiente. O resultado é uma fusão mais densa entre a água e o café moído, com mais óleos e sedimentos. A cafeteira italiana o faz encorpado, com sabor forte, que lembra o do espresso. A aeropress também garante essas características, mas com o café coado.

Escolhido o tipo de extração, é hora de degustar! Conheça 14 cafeterias no Brasil que cumprem esses critérios de qualidade e servem cafezinhos aromáticos, saborosos e bem tirados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Santo Grão (São Paulo)
Presente em seis endereços na capital, tem no cardápio mais de cinco blends. O que leva o nome da casa é composto por grãos do Cerrado, Sul de Minas e Mogiana, o que dá a ele corpo intenso, aroma complexo, doçura marcante e pouca acidez. O cliente pode escolher se quer uma extração de espresso, com filtro ou com cafeteira francesa. Há também as bebidas geladas, entre elas o Café Gelado,  Iced Cappuccino e o Frappé. Novos baristas são treinados, fazem curso de degustação, passam por todas as áreas do bar e, após uma prova de certificação da ACBB (Associação Brasileira de Café e Barista), podem servir café no Santo GrãoR. Oscar Freire, 413 (Jardins), 11/ 3082-9969, www.santograo.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Coffee Lab (São Paulo)

Torra, degustação e preparo de cafés são feitos com disciplina e cálculo para criar “um laboratório de sensações”, segundo a própria cafeteria. Os seis tipos de grãos vêm de cinco fazendas diferentes, mas torrefação e produção ficam nas mãos de Isabela Raposeiras (foto), campeã do primeiro Campeonato Brasileiro de Baristas em 2002, sua equipe de baristas sêniors e equipamentos high-tech. Além dos clássicos expresso, expresso panna, macchiato, cappuccino e latte, a casa traz os sempre gelados café shakeratto, frappé de cappuccino e o “chocolate da vovó calorenta”, além de novidades como café coado e frech press, ambos na extraídos na mesa. Destaque para a “xicragem”, uma degustação em três estágios. Ao final do primeiro estágio, o cliente ganha a bebida que mais gostou; após o segundo, uma xícara transparente; e, ao final do terceiro, um pacote de café. R. Fradique Coutinho, 1340 (V. Madalena), 11/3375-7400

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Grenat Cafés Especiais (Brasília)
Os grãos cultivados no cerrado mineiro, na Lagoa Formosa, são torrados na loja com a consultoria da baristaIsabela Raposeiras, que assina a carta de cafés. Nela, além de drinks e doces, há menu degustação da bebida com diferentes métodos de preparo. O espresso, por exemplo, pode ser de um blend encorpado ou, mais suave, tirado de grãos bourbon vermelho. O café de marcas como Orfeu, Braún e Fazenda Pessegueiro pode ser filtrado ou extraído das cafeteiras aeropress, francesa e italiana. Para fugir do óbvio, experimente o caviar ou o pudim de caféComércio Local Sul, Qd. 202, Bl. A, Lj. 4, 61/3322-0061

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Press Café (Porto Alegre)
O Grupo Press trabalha com café de origem artesanal, cultivado em Mococa, no interior de São Paulo. O grão chega à cafeteria com torra média clara, que valoriza a doçura e a acidez da bebida. Os baristas, treinados tanto na parte teórica como na prática, recebem mensalmente um material com as novidades da área e passam por uma avaliação para que a qualidade seja sempre mantida. No total, são oito tipos de espresso, oito cappuccinos e lattes, cinco drinks quentes e cinco gelados preparados com café pela especialista Lisandra Brancher e pelos mais de 20 baristas, que se revezam atrás do balcão das seis unidades. Av. Pe. Cacique, 2000, Fundação Iberê Camargo (Cristal), 51/3266-1943

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Santa Sophia (Belo Horizonte)
Além dos clássicos espressocappuccino, a casa possui drinks gelados e quentes, alcoólicos ou não, somando mais de 35 bebidas. Apesar da variedade, o destaque é do cafezinho no coador – o cliente recebe o aparato e acompanha o ritual do café coado na hora. O grão é de produção própria, plantado na região do cerrado mineiro, e é moído na frente dos clientes pelos quatro baristas da equipe. O resultado é bebida de fundo cítrico, notas achocolatadas e aroma de frutas secas. Vale ressaltar que os funcionários foram treinados na própria cafeteria e têm consultoria da barista Silvia MagalhãesR. Bárbara Heliodora, 59 (Lourdes), 31/3292-4237

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Santa Clara Café Orgânico (Natal)
As 36 bebidas no cardápio são preparadas a partir de grãos de marca própria torrados na cafeteria, usados também na filial em Fortaleza. Entre os 13 cafés frios, o café bandeira é feito com cappuccino gelado e chocolate quente, e o vienense combina espresso, leite condensado, creme de leite, chocolate gelado, cacau em pó e chantili. Os baristas são certificados pelo Centro de Preparação do CaféAv. Bernardo Vieira, 3775, (Shopping Midway Mall, Tirol), 84/3221-6576

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Octavio Café (São Paulo)

Os cafés e blends do Octavio Café são produzidos na fazenda da família, em Pedregulho, na Alta Mogiana. Além das tradicionais bebidas, a cafeteria tem drinks gelados como Cookies ao Café (sorvete de nata, cookies, café e chantili) e Café Gelado (suco de laranja com café, limão e açúcar). Para saborear o melhor da bebida e da maneira preferida, há 10 opções de extração, entre elas métodos filtrados com hario, chemex, pano e aeropressAv. Brig. Faria Lima, 2996 (Jd. Paulistano) 11/3074-0110

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nespresso (São Paulo)
A loja trabalha com 16 variedades de cápsulas produzidas na Suíça com diferentes grãos, paladares e aromas. Sete são usadas em cafés espressos, três em cafés longos, três são descafeinados e três são pure origin, ou seja, feitas a partir de um único tipo de grão. Os baristas, que recebem treinamento padrão em lojas Nespresso de todo o mundo, participam de concursos mensais de produção de novas bebidas feitas a base de café. A vencedora do mês é incorporada ao cardápio. Cada drink tem uma proposta e uma finalização decorativa única; a ideia é comunicar sutilmente ao consumidor qual aroma é o cerne da bebida. R. Padre João Manuel, 1164 (Jd. Paulista), 11/3061- 6505, filiais na R. Oscar Freire, 893, e nos shoppings Cidade Jardim, Higienópolis e Iguatemi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Suplicy Cafés Especiais (São Paulo)
Totalizando sete lojas localizadas nos pontos mais descolados de São Paulo e no Shopping Iguatemi Brasília (DF), o Suplicy Cafés Especiais conquista clientes com a torrefação artesanal dos grãos. Provenientes de quatro fazendas fornecedoras habituais, viram espressos, macchiattos, cappuccinos e drinks gelados nas mãos dos funcionários. Um deles, Rafael Godoy, conquistou o título de melhor barista do Brasil este ano, na 11ª edição do Campeonato Brasileiro de Barista. Al. Lorena, 1430 (Jardins), 11/3061-0195

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cafélier (Salvador)
Situado no centro histórico de Salvador, o Cafélier completa 18 anos este mês. O ambiente tem um tom artístico, decorado com objetos de arte e artesanato variado. No cardápio, 13 tipos de cafés, quentes e frios, com ou sem álcool. Entre eles há um que leva o nome da casa, o Café Cafelier, com conhaque, licor de chocolate e chantili. O barista já é veterano, prepara a bebida há 17 anos. R. do Carmo, 50 (Santo Antônio Além do Carmo), Santo Antônio Além do Carmo, 71/3241-5095, www.cafelier.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Lucca Cafés Especiais (Curitiba)
Lucca apresenta 18 rótulos de cafés, todos qualificados como “cafés especiais“, segundo a metodologia da Specialty Coffee Association of America (SCAA). Os grãos provenientes de 16 produtores passam pelas mãos da mestra torradora Georgia Franco de Souza, barista especialista em ponto de torra. Os baristas, premiados em competições nacionais e internacionais, preparam bebidas quentes seguindo a escola italiana de cafés (espresso com blend próprio, macchiato, cappuccino, entre outros), além de bebidas geladas, drinks de café e cafés com sorvete. Al. Pres. Taunay, 40 (Batel), 41/3016-6675

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cafeteria do Museu do Café (Santos)
Aqui o café não é apenas matéria-prima para bebidas: a flor do fruto é aproveitada na produção de sabonete, cosméticos e perfumes. A torrefação acontece na própria loja, que vende aproximadamente 450 xícaras de espresso por dia e trabalha com profissionais formados pelo CPC (Centro de Preparação de Café). São eles os responsáveis pela criação de drinques como o Glamour, com licor de avelã Frangélico, creme de licor Baileys e cobertura de chantili, e bebidas tipo o café vienense, em que o espresso é acompanhadado de sorvete de creme, licor de chocolate, creme de leite e chantili. Na cafeteria também é possível comprar Jacu Bird Coffee em grãos previamente torrados. R. XV de Novembro, 95 (Centro), 13/3213-17501